apresentação


testo de bom dia


" Não quero ser na tua vida o início do fim, nem o fim de um começo, mas o início de um começo sem fim."

Bem Vindos

Bem Vindos ao Cantinho Poético

terça-feira, 24 de abril de 2012

0

A Colera



A Cólera 

 Lesada vaidade coletiva, 
Resigna-se o meu ser pelo medo que me fere... 
Entre tantos predadores desta terra; 
O que mais temo é o próprio homem. 
Pois, quem é o único neste mundo, 
Que mata sem sentir fome, 
Matando somente por prazer? 
Ou destrói em nome do desprazer? 
Ah homem! Em nossa vã sabedoria, 
Buscamos as riquezas e ciências desta vida; 
Para vivermos da loucura cega, 
Na lacuna do terror que nos consome. 
O vazio de nosso crânio se esquece, 
Do genocídio que entristece de dor a humanidade, Enriquece o urânio e constrói bombas nucleares 
Para explodir com sutil frieza o núcleo dos lares. Mandamos pelos ares o dócil sorriso inocente 
De nossa gente. 
Os vibriões de tanta loucura 
Mora espalhando o terror por vastos lugares, 
Sinto o ardor em minha pele! 
O pavor que me causa a besta fera, 
Neste raciocínio lógico na beleza da supremacia, 
No físico incomum intelectual 
Despreza por conceito a diferença racial. 
Bate no peito com orgulho, 
A inversão da qualidade moral. 
Por tanto mal, me ponho por medo e tremor! 
Vi no calor da bomba radioativa o pior de todos nós; Corpos no pó desintegrados, desfacelados e mutilados. Nagasaki e Hiroshima... 
Dentes rangentes de dor, 
Pela flor de um cogumelo gigante. 
Não sinto estima por esta grandeza desumana, 
Nem me curvo aos seus pés! 
Poderia ser golpeado pela falta de indulgência da sorte, E encontrar por aí a minha morte nas mãos do vil agressor. 
Tenho medo de olhar no espelho, 
E descobrir no reflexo deste homem velho que sou, 
Que de mim pouco restou 
A não ser apenas arrogância e prepotência, um orgulho banal. 
A vida perece cada vez mais distante da verdade. 
Nossa humildade confunde-se com um monstro qualquer, 
Abastardo do amor... 
Rasguem-se as entranhas, rejeitem as nossas formas estranhas! 
Para que a cólera nesta loucura do homem 
Torne-se um dia na inteligência convertida em bem. 
Jaz aqui a nossa hipocrisia, 
Os holocaustos pelo desejo de poder 
Se ainda existe uma esperança, 
Então fujamos de nós mesmos 
Quando o nosso ódio for maior que o amor. 

 de Cesar Moura

Nenhum comentário:

Postar um comentário

**************Seja Bem Vindo(a)! Deixe seu comentário ou sugestão. Obrigada